Tutorial do EFT Oficial

3a PARTE - Recursos Adicionais e Avançados de Tapping e Refinamentos

Técnicas Avançadas de Teste

Maior Profundidade Para os Testes Do EFT

Na Parte I (no Artigo intitulado: Testando), você já recebeu uma exposição introdutória acerca de alguns métodos adicionais que podemos usar para avaliar os seus resultados e ir pesquisando quaisquer Aspectos restantes.

Situação Real:

O ideal é colocar seu cliente em uma situação real, que normalmente dispararia a intensidade do problema. No entanto, isso não é sempre o mais conveniente ou mesmo possível. Porém, se você puder, experimente fazê-lo quando o problema já parece ter sido resolvido.

Visualização Vívida:

Esta visualização é a forma mais apropriada para ser usada com um Evento Específico. Uma vez que a intensidade parece ter sido eliminada, peça ao cliente exagerar todas as visões, sons, etc. e, de fato, tentar se sentir perturbado. Se ele for bem sucedido, você encontrou novos Aspectos.

Use Elementos De Apoio

Peça ao seu cliente para pegar fotos, vídeos ou recordações ligadas a uma questão ou um acontecimento que normalmente provocaria alguma intensidade. Se estes elementos trouxerem algum desconforto, então há mais trabalho a fazer.

Agora podemos expandir essa lista para incluir maior variedade de métodos. Alguns desses métodos funcionam melhor para um problema global, alguns são melhores para Eventos Específicos e alguns são muito bons para ambos. Há vídeos que acompanham cada método com exemplos.

"Diga Isso..."

Esta técnica pode ser usada para testar os Aspectos ou memórias específicas, bem como questões mais gerais (globais).
O método é simples. Apenas faça o cliente dizer uma frase afirmativa, em voz alta, que represente algo que anteriormente acionaria intensidade e pergunte o quanto isso é verdadeiro numa escala de 0-10.

Para um evento:

  • Ele disse "Saia!"
  • Ela pensou que eu era estúpido
  • A classe toda estava rindo
  • Eu fui estuprada
  • Foi minha culpa

Muitas vezes estas frases podem ser tiradas das próprias rodadas de tapping e você saberá quais são as "mais quentes".

Para um Tampo de Mesa ou problema global:

  • Eu sou um inútil
  • Eu fui estuprada
  • Minha mãe não me ama
  • Eu fui humilhado
  • Ela me deixou por outra pessoa
  • Eu sou totalmente só.
  • Eu mereci ser abandonado
  • Foi meu erro

Para um Tampo da Mesa, é sempre útil estabelecer medidas do problema ANTES e DEPOIS, para que você possa ver se o evento que você trabalhou teve solução.

Se a intensidade foi liberada, os clientes deverão se sentir bem e confortáveis dizendo a frase "Diga Isso...". Se não, mais Aspectos ou especificidades esperam por você. Uma maneira de acessá-los é perguntar qual foi o seu "diálogo interno", enquanto falava a frase. Qualquer coisa que os clientes possam ter dito para si mesmos, como uma reação a essa declaração, pode levar você a novos aspectos ou eventos relacionados.

O vídeo abaixo ilustra este princípio do "Diga isso..."

 

 

Role Playing

Isto envolve atuar de novo uma memória perturbadora ou acontecimento real. Por exemplo, você pode imitar as vozes, posturas e gestos dos ofensores para testar se ainda há ainda qualquer intensidade remanescente. Você pode até pedir a um amigo para representar um dos papéis e fazer o Tapping enquanto ele ou ela encenam. No vídeo abaixo, eu mostro dois exemplos. O primeiro (muito breve) é com a LaVern, onde eu aprendo a fazer o papel de seu pai, quando ele faz um comentário ofensivo. O segundo é com a Sarah e nos mostra trabalhando juntos, para que eu possa olhar para ela imitando os "pequenos olhos da mãe dela."

 

 

Pegando o cliente desprevenido

Isso envolve testar seu resultado fazendo algo inesperado. Dependendo do contexto da sessão, você pode surpreender seu cliente fazendo um dos ítens seguintes: (1) imitar os gestos de um abusador, (2) virar as costas para o cliente de uma maneira que simbolize seu problema de rejeição, (3) levantar a voz como um ex-marido ou chefe costumavam fazer ou (4) use sua imaginação para se adequar às circunstâncias. Então observe as reações do cliente. Ele se assusta? Ele se contorce ou se irrita, chora, ou fica insultado? Se assim for, procure mais aspectos ou questões porque você tem mais trabalho a fazer. Se, por outro lado, não houver nenhuma reação, exceto sorrisos e comportamentos calmos, então você tem evidências sólidas de sucesso.

Este é um exemplo clássico: eu estava participando, com outros terapeutas de EFT , de um workshop de terapia de 5 dias para mais de 20 clientes com graves problemas emocionais. Uma das minhas sessões foi com uma mulher de 50 anos de idade, gravemente traumatizada (vamos chamá-la Sandy) que, durante seus primeiros anos, tinha sido consistentemente espancada, jogada pela escada e contra as paredes por seu pai. Ela estava perpetuamente ansiosa e constantemente a procura de perigo iminente, especialmente relativo a homens. Minha primeira forma de expo-la aconteceu no primeiro minuto ou dois de nossa sessão quando casualmente levantei minha mão para coçar a cabeça. Imediatamente, ela estremeceu e gritou, "Por favor não me bata."

À medida que a sessão evoluiu, Sandy disse-me que o pai dela, geralmente, começava seu comportamento abusivo surpreendendo-a por trás e agarrando o seu ombro com a mão. Eu escolhi isto como uma questão fundamental e, passei a hora seguinte, fazendo o EFT sobre a reação de ela ter seu ombro tocado por trás. Ela foi ficando cada vez melhor e, no final da sessão, eu pude agarrar seu ombro por trás, sem ela se esquivar ou ter qualquer reação de qualquer tipo.

No entanto, Sandy sabia que eu ia continuar o teste, colocando minha mão no seu ombro por trás. Ela esperava por isso. Assim, o elemento surpresa do pai dela estava ausente do nosso teste e não consegui pensar em uma maneira de recriá-lo durante a nossa sessão. Então, eu esperei por algumas horas após a sessão, até que eu a vi sentada no saguão, conversando com alguns outros clientes. Então, peguei-a desprevenida, colocando minha mão no seu ombro por trás, quando ela menos esperava. Para minha satisfação, ela simplesmente virou a cabeça em direção a mim, da mesma forma que alguém iria virar se fosse tocado no ombro. Nenhuma reação de alarme, sem pânico, nada de anormal.

Sucesso! No entanto, se ela tivesse se assustado eu saberia que nós não tínhamos solucionado esta questão. Um detalhe muito importante. Vital.

Isso significa que nós acabamos com seus problemas traumáticos? Na verdade, não. Ela teve uma infância inteira cheia de abusos. Mas nós conseguimos lidar muito bem com uma peça fundamental. Isso facilita o resto do trabalho.

Essa forma de teste leva um tempo para desenvolver porque cada cliente é diferente. Assim, você precisa estudar vários eventos antes que você possa incorporar corretamente esta habilidade. Dou três exemplos no vídeo abaixo para você ter uma idéia. O primeiro, com a Betty, mostra que há mais trabalho para fazer, enquanto o segundo e o terceiro, com Mim e Annie, deram provas de que tínhamos alcançado o resultado.

 

 

Frases provocadoras:

Surpreenda seu cliente dizendo algo desafiador e direto, que normalmente causaria intensidade sobre um problema que você acabou de tratar.

  • Para alguém com um problema de rejeição, diga algo como, "Bem, eu nunca sairia com você."
  • Para alguém com um problema de culpa, diga algo como, "foi de fato culpa sua."
  • Para alguém com uma problema de autoestima, diga algo como, "bem, não acho que você merece algo melhor."
  • Para alguém com um problema de autoridade, diga algo como, "você não pode fazer isso no meu consultório."

Você pode usar qualquer uma das palavras que disparou intensidade emocional durante uma rodada de tapping ou, você pode usar suas próprias palavras. No entanto, a abordagem é um fator importante para esse método. Se você surpreender o cliente com uma observação forte e a intensidade já foi anulada, o cliente terá uma resposta saudável, possivelmente bem humorada. Se não, você terá que observar outros aspectos.

Isso é semelhante à técnica de Pegar o Cliente Desprevenido, mas com o uso de palavras ao invés de ações.

Técnica de Desestabilizar o Cliente

Este método importante de teste é exatamente o oposto da brandura, frequentemente recomendada por práticas de terapia convencional. Em vez disso nosso objetivo é trazer questões do cliente para fora fazendo varias perguntas visuais. Estamos pesquisando bem no seu interior, na esperança de localizar problemas enterrados. A prática convencional de sempre ser gentil, ainda que louvável em muitos outros aspectos, pode trabalhar em desfavor dos clientes, deixando muito ainda por fazer. Você precisa sondar e, às vezes, necessita de uma ferramenta forte.

Embora esse processo se apresente como algo brutal, é algo altamente respeitoso de se fazer. Se conduzido corretamente, o cliente entenderá a intenção amorosa e apreciará o seu esforço em desenterrar essas emoções pesadas. Sem suas habilidades e dedicação a este respeito, seu cliente pode, desnecessariamente, continuar por décadas com um problema que o consome, mas que continua escondido.

Para alguém que testemunhou um acidente ou mesmo morte, você pode perguntar algo como:

  • Foi o osso saindo da pele?
  • Você pôde ver algum órgão?
  • Cheirou o sangue?
  • Você já tocou num cadáver?

Para alguém que foi agredido, você pode perguntar:

  • Como cheirava o hálito dele?
  • Tinha mais alguém vendo?
  • Você mereceu?
  • Como se sentiu quando sua cabeça bateu no chão?

Para alguém que passou por uma separação traumática ou infidelidade, você pode perguntar:

  • Ele/ela realmente amava você?
  • Eles fizeram sexo na sua cama?
  • Ele/ela conheceu seus amigos?

Com raras exceções, esta abordagem dura só deve ser feita DEPOIS que você está confiante de que resolveu todas ou a maioria dos problemas com o EFT. Enquanto alguns métodos de teste são projetados para avaliar o seu progresso a medida que se desenrola uma sessão, estas perguntas de desestabilizar o cliente são como uma marreta ainda em busca de algum resto de minério em uma mina de ouro já explorada. Se você experimentá-las logo no começo, você pode criar sofrimento desnecessário em seu cliente.

Feito corretamente, este método pode trazer à tona um poço profundo de problemas intensos e, então, ele só deve ser utilizado quando você tem muito tempo sobrando na sua sessão. Nesse sentido, eu não tenho vídeos para ilustrar este método, porque (1) eu tinha um tempo limitado ali no palco e (2) um tempo significativo foi usado para se estabelecer o problema e ter uma idéia de onde eu deveria chegar na sessão.

Use Humor

Humor é parte do meu estilo e tende a ser terapêutico à sua maneira. Isso eleva a energia da sessão e dilui a "seriedade" da questão. É também um dispositivo de teste fabuloso, porque a resposta do cliente à tentativa de humor pode dizer MUITO sobre o seu progresso. Se franzir a testa, chorar ou parecer insultado, então seu humor atingiu um ponto dolorido e você tem provas importantes de que tem mais o que fazer. Se há sorrisos e calma, no entanto, você tem provas de que está obtendo boa resolução.

O último caso é claramente demonstrado no vídeo abaixo com a Kim, que foi molestada aos 6 anos de idade. Os primeiros 30 segundos mostra um teste de humor abortado, onde eu começo um comentário bem humorado sobre ela não ser uma campeã de karatê. Ela responde com uma risada momentânea que então, imediatamente, se converte em lágrimas de angústia (a câmera do vídeo dá um zoom e mostra bem essa reação, para que você possa ver claramente). Isto é prova evidente de que temos um longo caminho a percorrer.

O resto do vídeo ocorre depois que nós passamos cerca de 20 minutos usando o EFT para esta questão. Note que ela agora encontra muito humor na minha comparação do pênis como um "pau idiota". Este é um teste de humor, claro, e ela ri junto comigo, dando evidências sólidas de que a sua reação a esta antiga "bomba" está sendo colocada em perspectiva. Observe que o humor neste caso é de um gôsto duvidoso mas o tema requeria isso.

Você verá também algumas legendas de "faça o tapping junto" ocasionalmente sobrepostas no vídeo. Isto é porque esta gravação veio do nosso popular curso Emprestando Benefícios (Easy EFT) em que, quem assiste, pode fazer o tapping conjuntamente, para obter benefícios pessoais impressionantes. Além disso, para ter uma perspectiva, eu termino o vídeo com um debate no palco sobre como usar o humor como um teste.

 

 

REVISÃO:

Neste artigo você reviu três métodos de teste da seção anterior e aprendeu mais seis.

  • Colocar o cliente em uma situação real, para testar se ainda há aspectos remanescentes, é geralmente o mais eficaz.
  • Visualização Vívida e Usar Apoios foram abordados em um artigo anterior.
  • "Diga isto..." usa o diálogo interno e outras expressões verbais do problema, para trazer à tona a intensidade adicional.
  • Role Playing exige que você imite alguém que poderia, de certa maneira, disparar a intensidade de um problema ou evento.
  • Pegar o Cliente Desprevenido usa ação e o elemento surpresa para os resultados do teste.
  • Frases provocadoras também usam o elemento surpresa e, às vezes, um pouco da técnica do Role Playing para encontrar intensidade restante.
  • Perguntas desestabilizadoras são intencionalmente mais visuais, para checar se alguns aspectos ainda não foram solucionados com as técnicas mais brandas.
  • O Humor é uma forma mais lúdica, para ver se a intensidade foi liberada completamente.

 

© Gary e Tina Craig
Todos os direitos reservados